Há algum tempo, venho resenhando um livro, relatando minha analise da vida do rei Davi; Era para ser uma tarefa simples, curta e objetiva; Se tornou um desafio difícil de ser alcançado, dentro do prazo, por mim, estabelecido; Achei por bem, deixar ao leitor do blog, um capítulo para feedback e quem sabe, um ‘gostinho’ de quero mais; Sinta-se a vontade em criticar, elogiar ou fazer recomendações nos comentários, estarei respondendo, sempre que possível.

PROCURE MELHORAR NO QUE VOCÊ FAZ!

Ao longo de sua história de vida, Davi, teve inúmeras profissões ou funções, a bíblia registra que o mesmo desenvolveu inúmeras habilidades, por exemplo: pastor de ovelhas, harpista, cantor, compositor, caçador, explorador, cartógrafo, guerreiro, general, rei e adorador.

O PASTOR DE OVELHAS

O que me chama atenção na vida de Davi, é que todas as suas habilidades apreendidas, tiveram como base de aprendizado, o seu primeiro ofício: pastor de ovelhas. Na época em que Davi viveu, o perfil de um bom pastor de ovelhas incluía quatro virtudes imprescindíveis a profissão: paciência, metodologia aplicada no trabalho, observação de detalhes e coragem de enfrentar perigos. Os motivos são simples. Comecemos pela observação de detalhes: ao amanhecer, o pastor retirava as ovelhas do curral e fazia uma inspeção minuciosa em cada uma delas a procura de feridas nas orelhas ou nas pernas, se estivessem com feridas nas orelhas, provavelmente havia sido feito por moscas ou mosquitos da região, isto significava que o pastor precisava passar azeite ou algum óleo que impedisse que as moscas colocassem larvas sobre o ferimento, se isto não fosse feito, a presença dos insetos na ferida, fazia com que a ovelha entrasse em um estado de agonia e inquietação, fazendo com que o animal começasse a correr e trombar em todo o objeto a sua frente, não demorava muito e essa única ovelha doente, ligava o instinto de manada em todo o rebanho, logo todas as ovelhas saudáveis estavam incontroláveis, por fim se a ovelha doente não fosse controlada a tempo, na sua agonia de se livrar das moscas, podia pular tanto em penhascos, buracos ou na água, levando todo o rebanho a fazer o mesmo. Por outro lado se a ovelha estivesse com feridas nas pernas ou nas patas, era necessário o pastor carregar ou guardar a ovelha separada do rebanho, caso contrário, o instinto de defesa do rebanho, levava a ovelha ferida a se locomover no centro do bando, fazendo com que toda a manada se locomovesse no seu ritmo até que a mesma não aguentasse mais e empacasse no local, obrigando o resto do rebanho a fazer o mesmo. Portanto era essencial que um bom pastor, fosse também, um bom observador de detalhes. Se não o fizesse colocava em risco toda integridade do rebanho. Outra importante virtude necessária a um bom pastor era a paciência, já que devia inspecionar frequentemente o rebanho à procura de doenças ou parasitas, além disso, o rebanho ovino necessitava de alguns cuidados peculiares, como: O cuidado na locomoção do rebanho, já que ovelhas não são animais que se locomovem com rapidez e nem sempre conseguem andar juntas umas das outras, logo, era necessário que o pastor as guiasse em uma velocidade de movimento compatível com a lentidão dos animais, cuidando, para que nenhuma se desviasse e se perdesse no caminho, além disso, o pastor também necessitava de paciência na escolha do pasto para o rebanho, já que ovelhas comem qualquer tipo de vegetal que for colocado na sua frente, não distinguindo entre capim ou erva venenosa, sendo assim, um bom pastor guiava o rebanho para um pasto que ele conhecesse, atento as possíveis ervas venenosas no caminho. Além disso, era necessário ter paciência na hora de saciar a sede do rebanho, cuidando para que água não estivesse contaminada com cadáveres e nem sangue (no caso dos judeus, era para evitar que os animais ficassem impuros bebendo água com restos de cadáveres); Outro detalhe: As ovelhas têm preferência por águas correntes em vez de água parada; Este detalhe obrigava o pastor a guiá-las até um local com esta característica, evitando possíveis pântanos ou lamaçais que atolassem o rebanho e vigiando os possíveis predadores, que de longe ouviam e sentiam o cheiro do rebanho; Por fim, se o dia tivesse sido sem imprevistos, o pastor precisava resguardar o rebanho ao entardecer; Se estivesse distante do curral, era necessário cercar o rebanho com estacas e cordas com pedaços de panos amarrados¹, de preferência em um local em que houvesse algum tipo de barreira natural, aumentando assim a dificuldade de ladrões e predadores de atacarem o rebanho; Por outro lado, se estivesse próximo ao curral, precisava guiar as ovelhas em segurança ao aprisco, contudo, sua tarefa ainda não estava terminada; Era preciso se certificar que cada ovelha estivesse em seu local costumeiro de descanso², além disso, casos os animais resolvessem brincar entre si, era necessário observar se alguma ovelha não estava com as costas no chão, caso houvesse, era necessário o pastor colocá-la novamente em pé, já que ovelhas não dobram as patas e se ficam por muito tempo deitadas de costas para o chão, acabam, por morrerem asfixiadas.

Resumindo: ser pastor de ovelhas em tempos passados não era pra qualquer um. Quando descobrimos o cuidado e o zelo que um bom pastor de ovelhas precisava ter com seu rebanho, podemos vislumbrar parte do que Jesus quis dizer ao se comparar como um bom pastor que entrega a própria vida pelo seu rebanho; Observe que, em um dia de trabalho, o pastor era testado em inúmeras tarefas diferentes, exigindo atenção, paciência e coragem frente aos riscos no cuidado com o rebanho. Não obstante, Davi foi um excelente pastor de ovelhas; Não foi à toa, que Deus reparou naquele adolescente dedicado há um dos trabalhos mais extenuantes que havia na época; Se Davi tinha zelo por suas ovelhas, teria zelo pelo povo escolhido de Deus; Era justamente o perfil de homem que Deus queria como líder de seu povo.

O MÚSICO

A segunda habilidade que Davi aprendeu foi tocar harpa. Davi não foi apenas um tocador de harpa, ele era o melhor tocador de sua região; Seu nível de excelência como harpista foi o passaporte para o palácio real de Saul. A bíblia relata que o rei Saul sofria de um mal-estar causado por um espírito maligno, o qual só era afastado através da música; É interessante notar que qualquer instrumentista poderia ter sido chamado para tocar para Saul, contudo, a bíblia demonstra que a reputação musical de Davi era bem conhecida em Israel, inclusive, na corte de Saul.

Agora pense; Quais são as virtudes necessárias para uma pessoa se tornar um excelente músico? Se analisarmos, veremos que são as mesmas virtudes comuns a um bom pastor de ovelhas. A paciência para ouvir e aprender; Metodologia na prática da atividade; Observação aos exemplos lecionados pelo professor e Coragem para vencer o desânimo e a procrastinação; Todas estas virtudes necessárias a um bom músico, Davi tinha de sobra; Ele havia desenvolvido durante o seu trabalho de pastor de ovelhas; Por mais extenuante que fosse a profissão, o pastoreio de ovelhas lhe permitia desenvolver sua habilidade musical durante o tempo em que as ovelhas pastavam ou quando estavam descansando. Na medida em que foi melhorando sua habilidade com harpa, passou a compor cânticos relacionados ao seu cotidiano. O salmo de número vinte três é uma ode ao seu trabalho de pastor, além de ser uma maravilhosa analogia com o cuidado divino para com o ser humano.

Com o passar do tempo, o desempenho de Davi em tocar a harpa melhorou; A dedicação e o esforço aplicados a música renderão novas virtudes, como a produtividade, determinação e improvisação. A sua produtividade aumentou devido ao bom uso que ele deu ao tempo ocioso. Pense: Davi poderia ficar sem nada fazer durante o tempo em que as ovelhas pastavam ou descansavam, poderia ficar tramando formas e meios de vingança contra seus irmãos mais velhos, entretanto, ele preferia pegar a harpa e dedilhar suas cordas, aumentando assim, seu conhecimento das notas musicais; Sem perceber, Davi estava aumentando a sua produtividade laboral, afinal, ele exercia uma profissão e estava aprendendo a exercer outra. A virtude da determinação em Davi foi fortalecida durante o tempo em que aprendia a usar a harpa. Assim como qualquer estudante de música, Davi percebeu que a repetição leva a excelência. Imagine quanto tempo, Davi repetiu acordes e mais acordes, até chegar à perfeição? Por fim, o aprendizado da música ensinou Davi a improvisar. Nem sempre o canto está na altura adequada à melodia, e nem sempre há cifras para uma determinada música, assim como um bom instrumentista precisa acertar as notas musicais adequadas a um cantor, Davi precisou aprender a improvisar arranjos musicais, seja na composição de salmos ou no coro de cânticos.

Essa habilidade de improvisação foi útil, mais tarde, em sua carreira militar, onde boa parte de suas vitórias foram obtidas através de improvisação de recursos aliados ao conhecimento do campo de batalha, por exemplo, a luta contra Golias foi vencida através da improvisação de pedras lisas retiradas de riacho, sendo que o ambiente estava em neblina, permitindo que Davi ficasse a uma curta distância de Golias sem que este reparasse em sua funda, só vendo seu cajado de pastor; A arte de improvisar também salvou a vida de Davi algumas vezes, como no caso em que fugindo de Saul foi obrigado a se refugiar na cidade de Gate, a mesma de Golias, contudo, quando os filisteus perceberam quem era o novo refugiado, Davi, temeu por sua vida e improvisou uma ‘cena’ quando foi apresentado ao rei da cidade, sua atuação na pele de um louco foi satisfatória ao ponto que o rei de Gate ficou indignado com seus oficiais por terem presumido que um louco era o famoso guerreiro Davi que derrotara seu campeão Golias;

Além de ser tornar um músico respeitado em sua terra, Davi aprendeu importantes lições de estratégia militar enquanto trabalhava como pastor de ovelhas. Seu treinamento ocorreu através do cuidado com rebanho; ora na escolha do terreno adequado para pastagem, ora na busca de local para a observação do rebanho no terreno, ora observando que alguns locais eram suscetíveis aos ataques de predadores, ora reparando na forma como os predadores atacavam o rebanho e assim descobrindo como evitar estes ataques, ora observando os sinais de que havia um predador oculto perto do rebanho; Tais momentos de adversidades permitiram a Davi tirar importantes lições de como montar defesas em relação a um recurso estratégico e como atacar concentrações de tropas;

Duas das mais importantes lições de estratégia que Davi aprendeu durante seu período de pastor de ovelhas foi nos ataques realizados por Leões; Na época em que Davi viveu, ainda era comum encontrar leões solitários ou a procura de um bando, se locomovendo pela palestina; Frequentemente havia ataque destes animais contra humanos e o gado, entretanto, a principal vítima era sempre o rebanho de ovelhas; Diferente dos demais predadores, os leões eram silenciosos, sorrateiros e pacientes; Ao em vez de ir até as ovelhas, esperavam uma se afastar do rebanho e andar em sua direção, atacando-a e arrastando para covas e cavernas, por outro lado, quando estavam em bandos, montavam emboscadas em locais específicos em que dificultava a fuga do rebanho e a defesa dos pastores, muitas vezes, atacavam o próprio pastor ao invés do rebanho; Davi aprendeu com estes animais que um ataque bem planejado, significava 50% de vitória, isso incluía, escolher bem o campo de batalha e como será travado o combate; Um bom exemplo desta estratégia empregada por Davi, foi o ataque ao exercito nômade dos amalequitas; Tudo começou quando o exército amalequita aproveitou que Davi e seus homens estavam fora da cidade-acampamento de Ziclague e a atacou levando cativo as mulheres, crianças, escravos e todo o gado de Davi e seus homens; Quando Davi retornou a cidade, não permitiu que o desespero tomasse conta de sua Mente como havia ocorrido com alguns de seus soldados, em vez de sair em uma perseguição louca pelo deserto atrás do inimigo deixando a cidade aberta e desprotegida, deixou 200 homens de guarda e foi no encalço do exército amalequita seguindo o enorme rastro que este deixava para trás, por fim, encontrou um escravo amalequita pelo caminho, novamente, Davi usou de sabedoria, em vez de torturar o possível inimigo, lhe deu água e o tratou bem lhe prometendo à liberdade se cooperasse na missão de Davi e seus homens; O bom tratamento com escravo deu resultado positivo e este revelou a Davi quem era o inimigo, para onde iriam, quantos eram, quais eram suas armas e principalmente, como chegar perto do acampamento rival, sem que estes notassem sua presença;

Após localizar o arraial amalequita, Davi, colocou em ação a segunda estratégia de ataque que aprendera com os leões: A emboscada. Davi poderia ter ido diretamente contra os amalequitas assim que os encontrou, contudo, ele soube esperar; A espera durou um dia e uma noite de festa, onde os amalequitas comeram e beberam em comemoração aos despojos angariados no ataque bem-sucedido, provavelmente durante a festa, as mulheres e crianças foram exibidas como troféu, quem sabe até mesmo abusados pelos amalequitas em estado de êxtase, contudo, Davi guardou sua ira para hora certa e consegui fazer com que seus homens fizessem o mesmo, até que sua paciência foi recompensada; Quando a festa acabou, os amalequitas estavam extenuados, tanto pela festa, quanto pela marcha no deserto, por outro lado, Davi e seus homens haviam descansados enquanto espreitavam o inimigo e após os amalequitas terem ido se deitar ao romper do dia, Davi e seus homens os atacaram de surpresa, justamente, no momento em que estavam mais sonolentos e com a capacidade de reação baixa; Apesar de estarem em maior número, os amalequitas foram massacrados por Davi e seus homens, somente, 400 jovens amalequitas conseguiram fugir para deserto, montados em camelo. A estratégia que Davi usou, baseado no que havia aprendido com os ataques de leões contra seu rebanho, acabaram por extinguir a nação de Amaleque, cumprindo com uma ordem divina, dada inicialmente a Saul, mais cumprida na integra por Davi.

O GUERREIRO

Por mais que Davi tenha sido um excelente músico, compositor e pastor de ovelhas, a atividade que lhe rendeu a maior fama, foi aquela que ele menos gostava de fazer: A Guerra. É interessante observar que todas as guerras em que Davi participou, ele foi arrastado para conflito; O fato é que Davi evitava entrar em guerras ou combates, contudo, quando envolvido em uma peleja, lutava com todas as suas forças para vencer; A sua fama de guerreiro se tornou notória, após o combate contra o filisteu Golias, entretanto, a destreza e a coragem necessárias para o sucesso contra o gigante, haviam sido conquistadas durante o seu trabalho como pastor de ovelhas. Mas como estas habilidades surgiram? Como pastor de ovelhas, Davi precisava enfrentar, periodicamente, várias espécies de predadores que buscavam atacar o rebanho; Na maior parte das vezes, eram animais fáceis de espantar, como chacais e cães selvagens, contudo, ocasionalmente, surgiam animais maiores como leões, ursos e também, seres humanos; Geralmente os pastores de ovelhas tinham como estratégia comum de sobrevivência, pastorear seus rebanhos, perto uns dos outros, até porque as ovelhas só seguiam ao seu legítimo pastor, logo, não havia o risco de perca do animal para outro rebanho; Esta estratégia facilitava a defesa comum dos rebanhos, pois, quando um animal selvagem estava à espreita, rapidamente era detectado pelo grande número de pastores, auxiliares e pelas ovelhas, facilitando a defesa dos rebanhos, entretanto, esta estratégia tinha seus pontos fracos, como a rápida deterioração do pasto e das reservas de águas comuns aos rebanhos, a rápida propagação de pestes entre os animais, o risco do chamado ‘efeito manada’ entre as ovelhas, podendo desencadear uma confusão generalizada entre os rebanhos, em casos extremos, ocasionando até mesmo a morte de todas as ovelhas, além disso, quando vários rebanhos se reuniam em um só local, o odor e o barulho eram reconhecidos de grandes distâncias pelos predadores, o que aumentava o número de ataques ao ponto de obrigar os diferentes rebanhos a se dividirem por varias regiões; Por mais que Davi conhecesse as vantagens do sistema de cooperativa, ele não tinha os requisitos necessários para fazer parte de um sistema cooperativo; Suas poucas ovelhas e sua pouca idade não valia o investimento em uma cooperativa de pastores, sendo assim, sobrou ao jovem pastor cuidar de suas ovelhas sozinho; Foi neste período que Davi aprendeu e se especializou a usar a funda(estilingue) para o combate à distância; Esta arma era propícia para um garoto com baixa altura e pouca idade, pois, permitia lançar pedras a uma boa distância do alvo, diminuindo, o risco de uma luta corpo-a-corpo contra um oponente mais forte; Contudo, era inútil contra animais com grande resistência a dor, como ursos e leões, nestes casos a única solução era se aproximar dos animais; Agora imagine um adolescente entre os 13 aos 15 anos, enfrentando, dois dos maiores animais carnívoros da terra? Foi assim que Davi desenvolveu destreza e coordenação motora para lutas corporais. Agora, reflita: Se Davi reuni coragem e enfrentou leões e ursos, por causa de ovelhas, por que não enfrentaria um gigante? Na verdade, era muito mais fácil enfrentar Golias do que enfrentar um leão ou urso. O próprio Davi relata como os matava; Se um leão ou urso capturava uma ovelha, ele esperava o predador se virar para tentar abater o animal, e neste momento, o atacava pelas costas, pegando o predador desprevenido, caso, o animal tentasse contra atacar, Davi se atirava em seu lombo e agarrava seu pescoço, golpeando-o, desta forma evitava ser ferido. É importante se destacar que Davi não matou apenas um leão e um urso, o relato bíblico aponta que foram vários animais destas duas espécies, o que aumentou consideravelmente sua agilidade e coragem ao longo do tempo. Quando lemos o relato da luta entre Davi e Golias, é possível se observar que o jovem pastor zombava e desdenhava do filisteu, uma atitude que escandalizou seus irmãos e até mesmo o rei Saul, contudo, Davi agia assim, porque sabia da sua capacidade de combate; Pra quem já havia enfrentado leões e ursos, sozinho, não parecia grande coisa enfrentar um homem, cuja maior habilidade era ser alto.

EXPLORADOR

A vida de Davi mudou da água para vinho depois que venceu e matou o gigante Golias. Como vimos anteriormente, todas as habilidades de Davi se desenvolveram tendo como base a sua primeira profissão de pastor de ovelhas. O esforço repetitivo em busca de progresso em uma habilidade acabava por fazer com que Davi se tornasse excelente na função, além disso, abria novas oportunidades de aprendizado; Uma atividade levava a outra; Essa continua capacidade de adaptação e aperfeiçoamento tornou a Davi, uma pessoa Polímata, isto é, alguém com inúmeras habilidades interdisciplinares;

Entre as habilidades que Davi adquiriu após vencer Golias estava a capacidade de explorar e desbravar terrenos e locais desconhecidos, de observar padrões no ambiente em busca de algo anormal ao local, de memorizar locais de refúgio, atalho e campos de batalha com vantagens naturais para quem o utilizasse melhor; É importante se salientar que nesta época não existiam mapas cartográficos mostrando cidades, terrenos, rios ou depressões; Os viajantes se guiavam através do relato de outros aventureiros, e utilizavam como referência de localização as montanhas, rios, vales, cavernas, cidades, etc; Mas como Davi ganhou conhecimento de toda a região de Canaã? A bíblia relata que após a vitória sobre o gigante, o nome de Davi se tornou conhecido em todo o Israel; O reconhecimento pela vitória foi tão grande que causou inveja ao rei Saul, pouco tempo depois, Saul passou a ver Davi como uma ameaça ao seu reinado. Alimentando pela insegurança e pela inveja, Saul passou a criar formas e meios para que Davi tivesse sua reputação abalada.

Na visão de Saul, Davi havia o humilhado perante Israel, pois teve a coragem que ele não teve, venceu a luta que o rei deveria lutar e vencer, além disso, obteve uma vitória humilhante sobre o filisteu, sem que para isso fossem necessárias as armaduras ou armas de metal de Saul. As palavras de Davi dizendo a Saul que não precisava de sua armadura ou arma para vencer o gigante, nunca saíram da mente do rei, quanto mais o tempo passava, a desfeita de Davi à sua proposta o deixava amargurado. Com tempo, Saul, passou a ver a recusa de Davi em utilizar sua armadura no combate contra o gigante, como uma ofensa à sua pessoa e a sua legitimidade como rei de Israel, a partir deste momento, Saul passou a considerar a morte de Davi como necessária a manutenção de seu reinado.

Quando ficou claro que não conseguiria manchar a reputação de Davi, o rei Saul, passou a tramar a morte do jovem pastor, utilizando como estratégia, os inimigos de Israel para que assim fosse encoberto a sua participação; Novamente não teve sucesso; Saul havia proposto que o homem que trouxesse 100 prepúcios de filisteus casar-se-ia com sua filha Merabe, Davi trouxe 200 prepúcios, contudo, Saul não cumpriu com sua promessa; Quando ficou claro para Saul, que suas tentativas de fazer com que Davi caísse nas mãos dos filisteus não dariam certo, ele se desesperou, e deixou cair sua máscara de rei piedoso; Sem qualquer justificativa séria, tornou a Davi, um inimigo público do reino de Israel; O fato é que Saul não precisava ter justificativa alguma para perseguir a Davi, ele sempre encontrou motivos para aniquilar todo aquele que supostamente estivesse entre ele e o poder; A partir do dia em que se tornou inimigo público, Davi passou a ser perseguido por Saul e sua tropa especial, composta por 3000 mil homens escolhidos à dedos, tais homens eram os mais fortes e valentes que Saul encontrou no reino.

A perseguição foi ferrenha e se estendeu por todo reino. Se Saul recebia mensagens de seus espiões sobre o paradeiro de Davi, imediatamente, convocava sua tropa especial e saia em seu encalço. Assim que percebia a chegada de Saul e sua tropa, Davi se retirava do local e se escondia em locais de difícil acesso. Foi durante este jogo de gato e rato, que Davi se tornou um exímio conhecedor das terras de toda a Canaã, do deserto do Sinai, no sul, até a fronteira norte com a Síria, passando pelas terras dos filisteus, ao leste e adentrando as fronteiras a oeste, no país dos Moabitas, não havia ninguém que conhecesse melhor toda esta região, do que Davi; A bíblia não diz especificamente o tempo que durou esta perseguição por parte de Saul, mas podemos inferir que Davi deixou a juventude e se tornou um homem maduro durante este período; Por volta dos 33 anos se tornou rei em Hebrom, sete anos depois, era Rei de todo o Israel, o conhecimento da região que adquirirá como explorador durante a perseguição promovida por Saul foi de grande utilidade em suas campanhas militares na busca pelo poder;

GENERAL

Além de tornar Davi, o melhor explorador da região de Canaã, a perseguição promovida por Saul, deu a oportunidade para o jovem pastor se tornar uma liderança no campo de batalha. A bíblia relata que se juntaram a Davi, 600 homens, que assim como ele, estavam sendo perseguidos em Israel; Eram homens com dívidas impagáveis, homens jurados de morte, homens que não tinham do que viver, homens que haviam perdido o gosto pela vida, homens estrangeiros, homens que haviam sido prejudicados por Saul, sua família e seu exército, ou seja, todos quantos eram considerados imprestáveis para Saul, imperdoáveis para o povo e que nada tinham a perder, se aliaram a Davi; Este pequeno contingente de homens foi núcleo duro, do futuro exército de 1.300.000 homens que estariam sobre o comando Davi, alguns anos mais tarde;

Durante o período em que era perseguido por Saul e sua tropa, Davi exercitou a mais difícil tarefa de um líder no comando de seus liderados: A tomada de Decisão. Todo e qualquer ataque, fuga ou contato com aliados, dependia da decisão final de Davi. Seus homens o auxiliavam através de conselhos e informações recolhidas sobre o assunto a ser decidido, contudo, cabia ao jovem pastor de ovelhas assumir a responsabilidade da decisão. O peso da responsabilidade sobre a vida dos 600 homens e de suas famílias foi o treinamento divino para que Davi estivesse preparado para ser o rei de Israel. Deus não buscava apenas um homem que liderasse seu povo no campo de batalha, ELE desejava um homem que se responsabilizasse pela vida espiritual, social e financeira de toda a nação. Davi tomou este papel para si. Em nenhum momento de sua vida, vemos Davi reclamando do fardo de ser rei de Israel. O fato é que SENHOR treinou a Davi para assumir o trono de Israel, desde o momento em que este começou a apascentar as ovelhas de seu pai Jessé, quando chegou o tempo de Deus para cumprir a sua promessa, não existia ninguém com maior capacidade de assumir a liderança de Israel, do que Davi.

Por algum motivo desconhecido, lobos, chacais e cães selvagens não conseguem atravessar uma corda estendida, em que haja um pedaço de pano flamulando ao vento; Este truque dava sossego ao pastor, quanto aos ataques de animais caninos, contudo, era inúteis contra répteis, felinos e humanos.

Em locais fechados, ovelhas costumam descansar em apenas um local. Em rebanhos onde os animais convivem algum tempo junto, cada um tem seu local demarcado de repouso. Se uma ovelha ocupa o local demarcado por outra, a ‘dona’ do local fica em pé, berrando, esperando que a invasora saia de sua propriedade.

E ai, gostou do  artigo? Que tal abençoar minha vida? Tenho 2 livros, físico e e-book, publicados na Amazon que podem abençoar ainda mais a sua vida. Desde já, obrigado por sua Generosidade, e que Deus o abençoe cada vez mais!

As 10 Lições que aprendi com José

jose-pq

As 10 Lições que aprendi com o profeta Elias

 

elias-pq

Anúncios