Você se considera pronto para o arrebatamento da igreja por Jesus, caso ocorra neste momento? Se você morrer hoje, tem fé de que será recebido pelo senhor? O senhor Jesus deixou uma importante lição a respeito do futuro: O mais importante não é saber o dia e a hora de um evento impactante na sua vida, mas estar vigiando e preparado para responder a altura.

Oi, leitor pra você que chegou neste Post, o título acima corresponde a 9º lição da CPAD para a classe de Jovens do 1º trimestre de 2018.

REVISTA IOVENS 1° TRIMESTRE 2018
Comentarista: Natalino Neves

Anúncio dos tempos finais

Nós, seres humanos, sempre buscamos nos sentir protegidos, seja por uma proteção real ou fantasiosa. Sempre buscamos o super homem que luta contra tudo o que é mal, ou a participação em um grupo coeso contra o estranho ou estrangeiro, ou ainda, a instituição sólida e resistente ao tempo, que conserva o status quo. A bíblia relata que a primeira vez que o ser humano buscou segurança frente aos desafios do futuro, foi quando uma multidão de pessoas se reuniu e decidiu juntar forças para construir uma instituição que as mantivessem unidas e coesas, a sede desta instituição, ficou conhecida na bíblia como torre de babel, seu fim, foi o mesmo que ocorreu a toda instituição humana que buscou tirar Deus do controle da história: desunião entre seus membros, obras inacabadas e total irrelevância para as gerações posteriores.

Por falar em instituições humanas contrárias a Deus e a sua palavra, vejam estes posts:

Porque o estado tem fundamentos AntiCristãos

Porque as políticas de esquerda são antibíblicas

O fato é que nos seres humanos, buscamos nos sentir seguros colocando fé na ação e manutenção de instituições que nos assegurem a previsibilidade do futuro, a estabilidade política, social  e religiosa, contudo, a história humana tem demonstrado que tais instituições não resistem ao tempo e aos falsos fundamentos sobre quais  foram construídas; Quando lemos em MT 24.1-2, observamos que as falas dos discípulos de Jesus espelhavam a segurança que os judeus e mesmo os discípulos sentiam em relação ao templo. Para os judeus, o templo era a segurança e prova de que Deus estava com seu povo, e que era questão de tempo até o que messias se revelasse e expulsasse os romanos da Judéia. Com certeza as estruturas físicas da construção eram exuberantes e grandiosas, ainda mais se levarmos em conta, que não havia máquinas, guindastes, aço e que tudo fora construído através do braço de milhares de escravos, foi isto que chamou atenção dos discípulos, todo o esforço empregado na construção os faziam pensar que aquele monumento seria eterno e que a instituição que ali se abrigava seria duradoura nos anos vindouros, portanto, a resposta de Jesus, de que aquele monumento seria arrasado ao ponto de nem mesmo as grandes pedras ficarem no local, perturbou a mente dos discípulos, fazendo-os questionarem Jesus a respeito de quando isso ia acontecer; Jesus explicou-lhes que a destruição do templo e da cidade de Jerusalém seriam acontecimentos futuros que ocorreriam devido aos judeus colocarem sua fé nas instituições representadas pelo templo e pela cidade, rejeitando, portanto, Jesus como salvador e rei; Essa profecia se cumpriu alguns anos depois, no ano 70 d.c, contudo, os cristãos foram avisados acerca do cerco romano e o fim do estado judeu, através de sinais, como falsos cristos,guerras reais e boatos de guerras, fomes, peste e terremotos em vários locais, além disso, os discípulos de Jesus, sofreram grandes perseguições nos dias finais, o que de fato ajudou a expulsar os cristãos de jerusalém. É importante se salientar que estes sinais não estavam restritos apenas a profecia da destruição do templo e de Jerusalém no ano 70 d.c, os sinais continuam válidos para os nossos dias, apontando que a volta do senhor é eminente.

Jesus afirmou que a sua segunda volta à terra seria motivo de surpresa como fora o dilúvio nos dias de Noé. Em MT 24.37-39, Jesus diz que as pessoas casavam e se permitiam casar, tais palavras preconizam que os contemporâneos de Noé tinham confiança no futuro e que tudo estava indo bem, como sempre havia ocorrido até então. Ao citar, que pessoas comiam e bebiam, Jesus indicava que a vida seguia seu curso natural, até que as primeiras gotas de chuvas começaram a cair causando inicialmente curiosidade e descontração nas pessoas da época, que até então nunca haviam visto água caindo do céu, contudo, logo, o entretenimento se tornou motivo de pânico e pavor, quando observaram que a chuva aumentava e não dava sinais de trégua; Em 40 dias de chuvas torrenciais, quase toda a humanidade estava extinta; Jesus ao relembrar este acontecimento, estava ensinando que sua 2º vinda será uma surpresa para os seres humanos que aqui ficarem; Nos primeiros dias, o desaparecimento repentino de inúmeras pessoas será motivo de pânico e pavor para alguns, entretanto, será a desculpa perfeita para o filho do pecado, assumir o poder prometendo segurança às pessoas; Novamente o ser humano cometerá o erro de confiar a sua segurança a instituições e a super homens que buscam retirar a soberania divina do controle da história humana;

A responsabilidade humana e julgamento divino

Jesus da continuidade aos sinais proféticos através de duas parábolas: As dez virgens e os talentos. Tais parábolas tinham como objetivo demonstrar aos cristãos o que Deus espera de seu povo durante os dias finais. Podem-se resumir as lições que as duas parábolas nos trazem em duas palavras, vigilância e trabalho; A parábola das dez virgens nos mostra que a preparação para volta de Cristo é individual, contudo, entramos no céu em grupo unido. Por outro lado, a parábola dos talentos indica que Deus deu a cada um, ao menos, uma habilidade, dom ou vantagem que deve ser usado em prol do reino dos céus, contudo, quando não usamos nosso potencial para a glória de Deus, as habilidades, dons e vantagens que ELE nos deu é retirado de nós e dado a outro com maior capacidade de administração e iniciativa de ação;

Veja:As 10 lições que Jesus nos ensina sobre investimentos

Conclusão

Mateus conclui o sermão profético, com a vinda de Jesus em glória a fim de julgar as nações; Neste julgamento, Jesus separará as pessoas em dois grupos: Ovelhas e Bodes; As ovelhas são todos aqueles que foram justificados pela fé em Cristo, já os Bodes são todos aqueles que não se arrependeram de seus pecados e não creram em Cristo. O que me chama atenção em todo o sermão profético dos tempos finais é a dicotomia que Jesus apresenta entre crer em instituições, super homens e sistemas de governo versus crer em sua palavra e colocar a fé Nele; Todo o cristão precisa decidir isso: Ou crer em Deus e em sua palavra ou nas instituições humanas. Todo cristão precisa estar atento a sua fé em Deus e em sua palavra. Todo cristão precisa empregar com sucesso, os recursos que Deus disponibilizou para a expansão do seu reino. Todo cristão precisa estar atento a volta de Cristo. Todo cristão precisa saber se estar preparado para ouvir o soar da trombeta ou para ser recolhido pela morte. E Você, leitor, como está a sua vida com Deus?

Se este artigo gerou valor positivo para sua vida, eu tenho 2 livros, físico e e-book, publicados na Amazon que podem abençoar ainda mais a sua vida.Saiba como venci a depressão e ansiedade e como aprendi a conviver em paz com a minha família. Baixe o aplicativo Kindle  gratuitamente para o seu Smartphone ou computador.

As 10 Lições que aprendi com José

jose-pq

As 10 Lições que aprendi com o profeta Elias

elias-pq

Anúncios